segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Visões de um Sul Africano pós Copa do Mundo

Alguns legados ou mudanças oriundas de um evento são difíceis de se mostrar ou mensurar. A mudança de toda estrutura de cabeamento por fibra óptica seria um exemplo. Muitas outras situações também não são percebidas apenas pelo fato de estarmos acostumadas com aquele meio. É a mesma dificuldade que temos em notar mudanças sutis nas pessoas próximas que são facilmente identificadas por quem vemos com menos frequência.  

Tentando enxergar mudanças e legados  pedi a um amigo Sul Africano que me escrevesse a respeito de sua visita a Cidade do Cabo após o mundial. A carta original em Inglês está a baixo e sua tradução logo em seguida.
My name is Lungisa Xujwa, I’m 28 and born in East London, Eastern Cape.
I moved to Cape Town 10 years ago to further my studies and with the hope of eventually finding work. Just like everybody else who spends a day in Cape Town I fell in love with the city. Between January 2010 and December 2010 I moved to Belgium. In between those dates the rest of the world was focused on South Africa. For the first time in history the Fifa World Cup was taking place on African soil. The city I fell in love with all those years ago was also taking its place to shine in this show piece. But that’s not why I write this. The truth is I missed the world cup. I watched it on big screens just like most people. Perhaps I write this testimonial on a more objective view then, if that’s possible, with me being South African and all. The fact is I stayed in Cape Town South Africa until 6 months before the world cup and I went back 5 months after it was done.
This time I stayed in Cape Town for 2 months and this is the legacy I found.

Unemployment

It’s no secret that South Africa has one of the highest unemployment figures of the world. And unfortunately the impression was created to the people, especially the poor, that the Fifa World Cup would change that status quo. People genuinely believed that their lives would suddenly be changed by the world event in a space of four weeks. The sad thing is the government did their best to sell that impression as well. The truth is, 12 months later the people are still waiting. Nothing has changed. Those who were unemployed before are still unemployed today.

Safety and security

We expected a lot of negative press on this front from the Western world and we duly received it in tons. There has been a lot of improvements in safety and security in South Africa, particularly in Cape Town. There is also no denying that Cape Town is a major tourist destination, so by definition it will attract those with criminal tendencies. But the city of Cape Town outsmarted all criminal element in the city during the World Cup. It did so with increased police presence in and around the city, CCTV cameras in every street in the mother city. No major incidents were reported during the World Cup.
I went back to Cape Town 5 months after the tournament and I stayed for 2 months near Long Street in the city centre. I was amazed by the fact that it has become a crime free zone, day and night. I used to be afraid to go out at night in Cape Town because anything was possible and this feeling has disappeared. Talk about legacy left behind.
 
Tourism

Cape Town is tourism Mecca of Africa and this hasn’t changed a bit. Over 350 000 tourists graced our shores for the four weeks event. And most of them were doing so for the first time, 70% of them saying they will come back. And of course Cape Town had a lot to do with that. Visitors made a connection with Table Mountain, Robben Island, the vineyards in Stellenbosch  and the two oceans meeting at Cape Point, but mostly visitors made a connection with the people.
All in all tourism in Cape Town is still growing strongly, even more so if you ask me. For the first time in the history of the city, the townships have become an integral part of the city. Not just in physical terms or political terms, but in terms of freedom of movement both ways. For the first time people from all walks of life are moving in and out of the city with confidence and pride. 

(Stadium) Infrastructure

There is absolutely no doubt of the improvement that has been made on this front. All roads in and around the city that needed revamping were revamped. With highways leading in and out the city, bearing testimony. A new stadium was erected in the most majestic location. Greenpoint Stadium is by far the most beautiful stadium of the five that were built for the World Cup. Cape Town International Airport can now proudly take its place next to the best international airports in the world. Before it was a point of arrival, but now it’s an experience to be at this mega facility. Arriving at Cape Town International Airport and driving to the Greenpoint Stadium will take you about 20 minutes by car and that to me says a lot about accessibility and the gains that have been made by the city. 

Transport

There is no doubt in my mind that transport has had the biggest improvement of all. Both public and private transport enjoy the legacy left behind by the World Cup in the city of Cape Town. With the roads being improved drastically, this mean there are dedicated BRT lanes, making busses travel swiftly and faster. It used to be a nightmare to drive in and out of Cape Town during pick hours. It meant huge traffic jams, a lot of accidents, but that’s no longer the case. All cars, mini taxis and busses that didn’t meet the roadworthiness standards, were taken off the road and destroyed by the government, in a move that was initially met with resistance by the taxi industry. All those who owned these vehicles were reimbursed, either financially or subsidised with brand new state of the art vehicles, more comfortable and much more suitable. This overhaul t has seen people enjoy the benefits even today, long after the World Cup has gone. The BRT lanes inside the city makes what normally would be a congested city more accessible than ever before. With almost everyone living in the townships, travelling by bus, taxi or train, this has made public transport a matter of choice again.  Public transport in Cape Town has gained back the trust of the people. 

Politics

It’s kind of strange really, the political arena in Cape Town is different from all other arenas around the country. Because of diversity dynamics in Cape Town, it’s usually fiercely contested and more often than not delivery to the poor is hampered. But now the environment has changed. Even those who were political enemies before put their differences aside for the greater good of Cape Town. That’s why Cape Town will continue to improve and will still remain to be the leading tourist destination in Africa. 

Conclusion

Personally I think the World Cup in South Africa had its negatives and positives but there can be no doubt that the positives far outweigh the negatives. In a city of over 3 million inhabitants, the event brought so much joy in the lives of ordinary people. The World Cup is a ones in a lifetime event. Although I did not have the privilege to be there myself to witness it live, it gives me great pleasure to see the improvements in my country. In a third world country like South Africa, the World Cup becomes more than the four weeks event that it’s supposed to be.
Africans in general like telling stories, and I’m guessing the World Cup will be an easy story to tell, with all the evidence still left behind. When I went back to Cape Town, I was filled with pride because we just successfully hosted the world’s biggest event. But I was even more impressed by the stories that were left behind. Now if you go to Cape Town, you not only go to a city with 3 million inhabitants but you go to a city with 3 million stories, and that no amount of money can buy.
Our team has improved, just like everything else. Hopefully they will be going to Brazil in 2014, so I can get my 4 weeks experience and have a story to tell. After all, I am an African, I need a story to tell.
____________________________________________________________

Meu nome é Lungisa Xujwa, tenho 28 anos e nasci em East London, Eastern Cape.
Eu me mudei para a Cidade do Cabo há 10 anos para continuar meus estudos e com a esperança de eventualmente encontrar trabalho. Como todo mundo que passa um dia na Cidade do Cabo eu caí de amor pela cidade. 

Entre janeiro e dezembro de 2010 me mudei para a Bélgica. Entre essas datas o resto do mundo estava concentrado na África do Sul. Pela primeira vez na história a Copa do Mundo estava a ter lugar em solo Africano. A cidade com que me apaixonei por todos aqueles anos também teria seu espaço para brilhar neste show a parte. Mas não é por isso que eu escrevo isso. A verdade é que eu perdi a Copa do Mundo. Eu a assisti em telões como a maioria das pessoas. Talvez eu escreva este depoimento com uma visão mais objetiva então, se isso é possível, comigo sendo Sul-Africano. O fato é que eu fiquei na Cidade do Cabo, até seis meses antes da copa do mundo e voltei cinco meses depois que ela acabou.
Desta vez fiquei na Cidade por 2 meses e este é o legado que eu encontrei.

Sobre Desemprego:

Não é nenhum segredo que a África do Sul tem uma das taxas de desemprego mais elevadas do mundo. E, infelizmente, a impressão que foi criada para as pessoas, especialmente os pobres, que a Copa do Mundo iria mudar nesse status quo. As pessoas realmente acreditavam que suas vidas de repente seriam alteradas pelo evento mundial em um espaço de quatro semanas. O triste é que o governo fez o seu melhor para vender essa impressão também. E a verdade é que, 12 meses mais tarde as pessoas ainda estão esperando. Nada mudou. Aqueles que estavam desempregados antes, ainda estão desempregados hoje.

Sobre segurança

Esperavamos muitos comentarios negativos na imprensa ocidental e nós devidamente mereciamos em toneladas. Houve uma série de melhorias em segurança na África do Sul, particularmente na Cidade do Cabo. Também não há como negar que a cidade é um importante destino turístico, assim, por definição, atrairia pessoas com tendências criminosas. Mas a Cidade do Cabo derrotou os elementos criminosos durante a Copa do Mundo. Fizeram-no com maior presença policial em torno e nos arredores da cidade e com sistema de monitoramento de câmeras em cada rua da área central. Grandes incidentes não foram relatados durante a Copa do Mundo.
Voltei para a Cidade do Cabo 5 meses após o torneio e fiquei por dois meses perto da Long Street, no centro da cidade. Fiquei espantado pelo fato de que ela se tornou uma zona livre de crime, dia e noite. Eu costumava ter medo de sair à noite na Cidade, porque tudo era possível e este sentimento desapareceu. Legado deixado para trás.

Infra-estrutura

Não há absolutamente nenhuma dúvida sobre a melhoria que foi feita nessa frente. Todas as estradas na e no em torno da cidade que precisavam de renovação foram renovadas. Um novo estádio foi erguido no mais mejestoso local. O Cape Town Stadium é de longe o estádio mais bonito dos cinco que foram construídos para a Copa do Mundo. O aeroporto Internacional da Cidade do Cabo pode agora orgulhosamente tomar o seu lugar ao lado dos melhores aeroportos internacionais do mundo. Antes era um ponto de chegada, mas agora é uma experiência única em uma mega-unidade.

Transporte

Não há dúvida em minha mente que o transporte teve o maior avanço de todos. Ambos, os transportes públicos e privados desfrutam dos legados deixados para trás pela Copa do Mundo. Com as estradas melhoradas drasticamente, isso significou as faixas dedicadas ao BRT, tornando as viagens de ônibus mais rápidas. Costumava ser um pesadelo conduzir para dentro e fora da Cidade do Cabo durante o horário de pico. Isso significava engarrafamentos enormes, um monte de acidentes, mas isso não é mais o caso. Todos os carros, táxis e mini ônibus que não cumpriram as normas de controle técnico, foram levados para fora de circulação e destruidos pelo governo, em um movimento que foi inicialmente recebida com resistência por parte da indústria de táxi. Todos aqueles que possuíam estes veículos foram reembolsados, seja financeiramente ou subsidiados com novos veículos no estado de arte, mais confortáveis e muito mais adequados. Esta revisão tem feito pessoas usufruir dos benefícios ainda hoje, muito tempo depois que a Copa do Mundo já passou. As pistas do BRT dentro da cidade fizeram que vias normalmente congestionadas ficassem mais acessíveis. Isto porque grande parte dos que vivem nas cidades estão viajando de táxi, ônibus ou trem, isso fez com que os transportes públicos fosse de novo uma questão de escolha. O povo da Cidade do Cabo recuperou a confiança no Transporte público.

Conclusão

Pessoalmente acho que a Copa do Mundo na África do Sul teve seus pontos negativos e positivos, mas não pode haver dúvida de que os aspectos positivos superam os negativos. Em uma cidade de mais de 3 milhões de habitantes, o evento trouxe muita alegria na vida das pessoas comuns. A Copa do Mundo é um dentes eventos de uma vida. Embora eu não tive o privilégio de estar lá, dá grande prazer ver as melhorias no meu país. Em um país do terceiro mundo, como África do Sul, a Copa do Mundo torna-se mais do que um evento de quatro semanas que é suposto a ser.
Os africanos em geral gostam de contar histórias, e eu estou supondo que a Copa do Mundo será uma fácil, com todas as evidências que ela deixou para trás. Quando voltei à Cidade do Cabo, eu estava cheio de orgulho, porque havíamos recebido com sucesso o maior evento do mundo. Mas fiquei ainda mais impressionado com as histórias que foram deixadas para trás. Agora, se você vai para a Cidade do Cabo, você não só vai a uma cidade com 3 milhões de habitantes, mas você vai para uma cidade com 3 milhões de histórias, e isto é uma coisa que nenhum dinheiro do mundo pode comprar.
Nossa equipe melhorou, assim como todo o resto. Esperemos que eles estejam no Brasil em 2014, para que eu possa ter minha experiência  de 4 semanas, afinal sou um Africano, preciso de histórias para contar.
Lungisa Xujwa é Publicitário, mora na Bélgica e sua família possui um hotel na Cidade do Cabo.
Para entender mais como foi a preparação e operação na Cidade do Cabo você pode acompanhar a série Copa do Cabo

No próximo post do Transporte na Copa a importância e perigos na construção de manuais e procedimentos na realização da Operação de Transporte e Trânsito em eventos.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Oficina da Copa no 18º Congresso da ANTP - ANTPTV

Depois de mostrar o vídeo com minha parte das minhas apresentações e mais um pouco da metodologia do Operação Copa, a melhor forma de falar o que ocorreu na Oficina da Copa no 18º Congresso da ANTP é através dos vídeos que foram filmados.

No programa da ANTPTV do dia 27/10 passou toda a sessão de abertura da Oficina ""Mobilidade Urbana para a Copa de 2014". O programa pode ser acompanhado na íntegra no vídeo abaixo.

 
Programa Em Movimento de 27/10

No próximo post as visões de um Sul Africano que não esteve na Cidade do Cabo durante, mas voltou cinco meses depois do fim do mundial.

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Operação Copa - Vídeo Planilha

Depois de acompanhar o Resumo dos Posts Operação Copa e Copa do Cabo e na volta do Congresso da ANTP vi a necessidade de retomar e tratar da importância das Equipes Operacionais para a Operação Copa.

A visão recorrente do operacional deixado para ultimo plano é garantia de fracasso em qualquer aspecto da mobilidade. Basta ver que mesmo em órgãos robustos e com bom planejamento a imagem inteira do setor de mobilidade se torna espelho deste último contato do complexo sistema.

Voltando do congresso vi que as ações de planejamento da copa não levam em conta muita das vezes a inserção dos atores da operação no planejamento. Complexo e fundamental mas dissociado das equipes que vivenciam o dia a dia o planejamento de um mega evento começa com problemas.

É preciso lembrar, por exemplo, que na Alemanha uma linha de VLT foi planejada para o deslocamento dos turistas em um trecho de 4,5km, mas em um jogo da Holanda 20 mil desses torcedores não apenas decidiram ir a pé como na linha férrea. 
Torcedores Holandeses que decidiram ir a pé em um trecho planejado para VLT
 As equipes operacionais, do JOC a de campo, são responsáveis por lidar com a velocidade com que essas ações ocorrem, são eles o elo final de contato e imagem do evento com tudo que foi planejado. Não preparar, inserir entusiasmo e comprometimento neste setor operacional é perder o legado de capacitação e principalmente imagem que uma Copa do Mundo pode gerar.

Pensando nisso a Metodologia de uma planilha serve com o propósito de ser uma linha mestra de um plano estratégico Copa construído por gestores, planejadores e equipes operacionais. Mais do que trazer os conceitos e etapas das atividades a planilha deixa todos os atores do processo cientes de cada passo alem do natural benefício das ferramentas de gestão.

O vídeo abaixo é uma montagem das duas apresentações mostrando um pouco da metodologia e a dinâmica da planilha no 18º congresso da ANTP no Rio de Janeiro.


No próximo post um resumo do mais importante que foi tratado na Oficina da Copa.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

18º Congresso de Transporte e Trânsito da ANTP

Acontece a partir da próxima terça feira (18/10) o 18º Congresso de Transporte e Trânsito da ANTP (Associação Nacional dos Transportes Públicos) no Rio de Janeiro.

O blog Transporte na Copa alem de cobrir as novidades e acompanhar a Oficina da Copa irá participar de uma apresentação que será posteriormente colocada aqui.

Se você tiver a oportunidade de estar no Rio será uma ótima forma de ver as novidades e debates do setor.

A programação completa pode ser conferida clicando AQUI

Para quem não poderá acompanhar o congresso pessoalmente existirá a possibilidade de interação com a ANTPTV. Com 27 horas de programação ao vivo e online o espectador terá acesso a um conjunto de programas especiais, incluindo sessões de entrevistas e mesas-redondas acessando o site do canal.

Aproveitem!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Resumo dos posts sobre Mobilidade na Copa

Uma boa forma de se preparar para um evento é olhar para o passado e tirar ao máximo todas as lições dos já ocorridos. Nesta linha o blog Transporte na Copa  apresentou a experiência vivida durante a Copa da África em 2010. Uma espécie de diagnóstico das práticas e erros na África do Sul para melhorar a realização do evento no Brasil na série Copa do Cabo.










Complementar à experiência Sul-africana a série Operação Copa trás ferramentas e análises para uma boa mobilidade durante a Copa, dividida em:

Parte 1 - Fazendo a torneira funcionar

Parte 2 - Controle e Gestão

Parte 3 - Agentes de Campo

Parte 4- Estacionamentos

Parte 5 - Subsidiando a tomada de decisão

Parte 6 - ITS

Parte 7 - Plano Operacional de Mobilidade
Parte 8 - Vídeo Planilha